Phoenix Wright: Ace Attorney (NDS)

Phoenix Wright: Ace Attorney (NDS)
Phoenix Wright: Ace Attorney (NDS)

Phoenix Wright: Ace Attorney NDS

Gênero: Aventura, Simulação
Perspectiva: 1ª pessoa
Arte: Anime/Mangá
Jogabilidade: Elementos de quebra-cabeça
Narrativa: Detetive/mistério
Publicado por: Capcom Entertainment
Desenvolvido por: Capcom Co.
Lançado: 2005
Plataforma: Nintendo DS (NDS)

 

O jogador assume o papel de Phoenix Wright, que atua como advogado. O jogo tem dois componentes: uma investigação e uma audiência judicial. Durante o julgamento, os jogadores devem realizar várias atividades judiciais, incluindo interrogatório de testemunhas, fornecimento de provas e contestação de declarações contraditórias ou provas fornecidas pela promotoria. O jogador tem cinco pontos de exclamação mostrando sua saúde. Pontos de exclamação são retirados quando o árbitro penaliza um jogador por fazer declarações infundadas e fornecer evidências inapropriadas. Enquanto no primeiro episódio o jogador não sai da sala de audiências, nos episódios seguintes o juiz faz pausas na sessão caso seja levantado algum tema que as partes devem investigar antes do reinício da sessão. Atualmente, o jogador controla Phoenix em primeira pessoa e investiga locais importantes. Existem quatro opções neste modo: Talk, que o jogador usa para conversar com os personagens; Show, com o qual o jogador mostra pistas aos personagens; Explorar, que permite ao jogador pesquisar a área; e Sair, com o qual o jogador pode se deslocar para outro local. Um novo episódio, incluído na versão para Nintendo DS, apresenta uma nova jogabilidade investigativa que se baseia nas capacidades do console. Essas opções incluem um spray de luminol que permite ver sangue normalmente invisível a olho nu e um pó de alumínio usado para impressões digitais. Ambos os recursos usam a tela sensível ao toque, enquanto o último também usa o microfone. O jogador neste episódio também pode girar as evidências no espaço, permitindo que eles percebam coisas que não são visíveis quando as evidências são exibidas como uma imagem 2D.

Trama

No primeiro caso do jogo, Phoenix Wright, sob o olhar atento de Mia Fey, defende com sucesso seu primeiro cliente e amigo de infância, Larry Butz, que é acusado de assassinato. No entanto, no segundo caso do jogo, Mia é morta por estar ciente da chantagem corporativa, e sua irmã mais nova, Maya Fey, é acusada de assassinato porque seu nome estava escrito em uma das evidências. Ao defendê-la, Phoenix conhece outro amigo de infância, Miles Edgeworth, que é o promotor no caso de Maya e é considerado o “gênio” do sistema de acusação. Maya se declara inocente do crime e se torna assistente de Phoenix em casos subsequentes. De vez em quando, ela usa suas habilidades como médium da vila de Kurain para invocar o espírito de Mia para ajudá-la em uma situação crítica.
Em um dos casos, Edgeworth é acusado de assassinato e Phoenix se compromete a defendê-lo. É revelado que Edgeworth foi incriminado por seu antigo mentor, Manfred von Karma. Alguns anos antes, Manfred havia atirado no pai de Edgeworth, um advogado, por quebrar sua sequência de vitórias perfeitas. Manfred levou Edgeworth a acreditar que ele mesmo matou seu pai. Phoenix expõe Manfred e busca um veredicto de “inocente” para Edgeworth. Após a reunião, Edgeworth pensa em renunciar ao cargo de promotor para refletir sobre o que aconteceu, enquanto Maya anuncia que está voltando para casa na vila de Kurain para continuar seu treinamento espiritual.
Um quinto caso, adicionado nas versões Nintendo DS, iOS e Wii, apresenta Ema Skye implorando a Phoenix para ajudar a proteger sua irmã mais velha Lana, que é acusada de um assassinato agravado pelo segundo assassinato da mesma vítima em outro prédio na mesma época. . Usando a ajuda científica de Ema para encontrar pistas e a inesperada ajuda do promotor de Edgeworth durante um julgamento, Phoenix descobre que Lana Skye foi chantageada pelo chefe de polícia Damon Gant para não contar a ninguém sobre um assassinato que ela pensou que Ema cometeu por vários anos. anteriormente. Acontece que o próprio Gant é culpado do assassinato e, ao fazê-lo, colocou a culpa em Ema. Embora Lana seja inocentada de todas as acusações, ela vai para a prisão sem permissão por ser cúmplice de Gant; Ema se despede da irmã e parte para a Europa para estudar medicina legal.

Deixe uma resposta