Metroid Prime: Hunters (NDS)

Metroid Prime: Hunters (NDS)
Metroid Prime: Hunters (NDS)

Metroid Prime: Caçadores NDS

Gênero: Ação
Perspectiva: 1ª pessoa
Jogabilidade: Elementos de quebra-cabeça, Atirador
Cenário: Ficção Científica / Futurista
Publicado por: Nintendo of America Inc.
Desenvolvido por: Nintendo Software Technology Corporation
Lançado: 2006
Plataforma: Nintendo DS (NDS)

 

A ideia da Nintendo é a melhor prova de que, para o sucesso dos videogames modernos, não há necessidade de escalar um jogador com garotas luxuosas nas roupas mais ousadas. A heroína principal chamada Samus Aran está vestida com uma armadura puritana, armada com um enorme “canhão” e é capaz de se dobrar em uma bola. Ela viajou pela galáxia desde os dias do SNES e, durante esse tempo, conseguiu se tornar um grande nome. Não vimos seu rosto, não sabemos nada sobre sua biografia e, no entanto, a consideramos uma das personalidades mais marcantes. E não porque ela posa positivamente na frente da câmera.

Viajando pelas galáxias

Os proprietários do Nintendo DS, familiarizados com a série, esperam uma série de transformações: em vez do original “plano” apareceu um atirador muito curioso, o ritmo de estudo dos locais aumentou significativamente e agora é necessária uma caneta para controlar Samus. Ninguém até o final não entendeu como os desenvolvedores vão implementar tal gerenciamento. Mas todas as dúvidas desapareceram logo após o jogo aparecer nas prateleiras: Hunters ganhou o melhor sistema de gerenciamento entre as plataformas portáteis. Mesmo apesar da excessiva complexidade no desenvolvimento e do aumento do nível de lesões entre os jogadores.
Segundo a ideia dos autores, o esquema padrão é o seguinte: o “Shift” esquerdo é responsável pelo tiro, a cruz é pelo movimento e a caneta pela pontaria. No Nintendo DS padrão, essa graça a princípio causa sérios transtornos – levará pelo menos uma hora para se acostumar ou mudar o layout para um mais familiar. No DS Lite, os problemas são diferentes: o console quer ser colocado de joelhos ou na mesa, porque controlar o peso da caneta é muito mais difícil. Embora neste caso a solução para o problema do controle do personagem seja apenas uma questão de tempo e paciência.

Atração e charme

Com o hábito de acusar Metroid Prime: Hunters em excesso de vontade própria e princípios. Você só pode ser salvo em pontos estritamente designados, que coincidem milagrosamente com o final do nível. A capacidade dos inimigos de roubar artefatos valiosos está absolutamente deslocada – é muito mais fácil sair do jogo e começar uma missão novamente do que tentar devolver os bens roubados. Sem falar no antigo truque obsoleto “até atirar em todos na sala, as portas não abrem” e na duração dos episódios individuais, exigindo lutar com dois chefes, explorar as masmorras e depois de tudo isso voltar, repetindo todo o caminho do começo ao fim. É claro que as tarefas definidas variam de missão para missão, mas isso não muda a essência do assunto:
Neste cenário, a verdadeira beleza de Metroid Prime só pode ser vista após a repetida passagem do planeta já estudado. Durante a primeira aterrissagem, o jogador corre pelos corredores sem direito a dar um passo para o lado. Retornando após longas andanças com novas armas, artefatos e habilidades, você vê o antigo mapa em uma perspectiva completamente diferente. Cada um dos planetas apresentados poderia servir de base para todo o jogo, e não há um ou dois aqui. O mesmo vale para as armas: a princípio não há necessidade de trocá-las, pois a munição ainda não tem fim e todo tipo de modificação de “baús” raramente é usado. Todas as nuances tornam-se evidentes muito mais tarde.

Mini-golpe

Um item separado aqui é o multiplayer. Graças a um mecanismo gráfico rápido e a um sistema de controle exclusivo, as batalhas em rede são quase uma substituição completa do modo de usuário único. No entanto, por uma questão de velocidade, foi necessário sacrificar a beleza e fazer uma parte visual dificilmente atingindo um nível com jogos para PS one. Restos de sedimentos desagradáveis ​​​​da paleta de cores escolhida de tons predominantemente escuros e mesmo com pouca iluminação.
No entanto, todos os problemas acima podem ser simplesmente ignorados – as qualidades positivas ainda são ofuscadas por pequenos erros de cálculo. E embora a maioria esperasse por um jogo quase perfeito, o resultado alcançado não pode ser negado, pois é o melhor dos atiradores de hoje para uma plataforma portátil. O gênero sofredor não se acostumou com o PSP, mas deu um segundo fôlego no Nintendo DS, e é uma revolução modesta, mas ainda assim.
Newer Post

Deixe uma resposta