Final Fantasy Adventure (Game Boy)

Final Fantasy Adventure (Game Boy)
Final Fantasy Adventure (Game Boy)

Final Fantasy Adventure, Mystic Quest, FFA GB

Gênero: RPG (RPG)
Perspectiva: Visão panorâmica
Arte: Anime/mangá
Jogabilidade: RPG de ação
Cenário: Fantasia
Publicado por: Square Soft
Desenvolvido por: Square Co.
Lançado: 1991
Plataformas: Game Boy, Game Boy Advance (GBA) , Super Nintendo (SNES)
Origem da série Mana (Seiken Densetsu). Lembra-se de obras-primas como Secret of Mana (SNES) e Legend of Mana (PSX)? Foi concebido como um desdobramento do Final Fantasy com elementos de aventura, mas no meio do caminho se transformou em uma série independente. Conhecido na Europa como Mystic Quest. Remake no GBA como Sword of Mana.

Trama

A história de Final Fantasy Adventure é bastante direta, embora mais do que decente para os padrões do Game Boy. Há muito tempo, um homem mau chamado Vandole subjugou o poder da árvore Mana, que dá vida a todas as criaturas do planeta. Mas seu reinado de terror não durou muito. Os galantes cavaleiros de Gemma o desafiaram (aliás, o nome inicial do jogo era Gemma Knights). Um dos quais, com a ajuda da espada mágica de Mana, pôs fim ao reinado do imperador do mal.
Muita água correu debaixo da ponte desde então, e as pessoas realmente se esqueceram dessa triste lição de história. Indivíduos reapareceram, ansiosos para subjugar o poder de Mana. Mas, naturalmente, em qualquer época existem heróis que não permitirão essa flagrante injustiça. Um desses você tem que jogar.

Jogabilidade

Viajamos pelo mundo de cidade em cidade, de masmorra em masmorra, ao longo do caminho destruímos monstros, ganhamos um nível e estocamos itens e equipamentos. Tudo aqui é padrão para jogos de Action RPG. No entanto, vale a pena notar os momentos marcantes de Final Fantasy Adventure, que posteriormente será usado mais de uma vez nos jogos da série. Uma delas é a barra de força, que determina a força do seu soco. A cada golpe da arma, ela é zerada e se acumula imediatamente. Quanto maior esta barra, mais forte será o seu golpe. Além disso, se você encher até o fim, poderá realizar um ataque especial, que é diferente para cada tipo de arma: espada, machado, corrente, etc. Aliás, o arsenal serve não só para erradicar monstros, com seu ajuda que muitas vezes você terá que trabalhar. Por exemplo, você pode cortar árvores com um machado,
O segundo ponto, que também foi amplamente utilizado nos jogos subsequentes da série Mana, são os companheiros de equipe. Ao longo da jornada, diferentes companheiros irão acompanhá-lo de vez em quando. Eles ajudam a lutar (embora sua IA deixe muito a desejar) e, além disso, no menu, eles podem receber o comando ASK, solicitando que eles façam uma pressa (do atendimento à loja).
As próprias masmorras não são muito confusas, especialmente porque você recebe um mapa visual e compreensível. Embora às vezes você tenha que resolver alguns enigmas bastante simples com botões e alavancas, além de encontrar passagens escondidas nas paredes. Batalhas contra chefes não são difíceis. Basicamente, se você vier a eles moderadamente bombeado e tendo vários curandeiros (ou feitiços de cura), não haverá dificuldades especiais.
Final Fantasy Adventure tem algumas deficiências, que são melhor chamadas de brutas. Em primeiro lugar, estes são “diálogos automáticos”. Ou seja, se você acidentalmente se aproximar de um NPC sem qualquer intenção de falar, ele ainda lhe contará informações valiosas lenta e persistentemente, mesmo que você já as tenha lido dez vezes. Além disso, muitas vezes os personagens não jogáveis ​​\u200b\u200bfazem isso, bloqueando as passagens, para que não possam ser contornados, não contornados – a única saída é sair da tela. O segundo ponto é que as masmorras estão repletas de um número selvagem de monstros que são absolutamente insensíveis às suas armas, eles só podem ser derrotados com magia. Isso, para dizer o mínimo, é irritante, exatamente como as frequentes escavações no inventário, quando você precisa trocar a chave de um feitiço e vice-versa.
No entanto, apesar dessas deficiências, o jogo acabou sendo mais do que decente. Não é à toa que é considerado o melhor ARPG para o Game Boy. O que não está longe da verdade, especialmente porque Final Fantasy Adventure se tornou o progenitor da longa e gloriosa série Mana, também conhecida como Seiken Densetsu.

Gráficos

Eu acho que os retro-maníacos hardcore ou os fãs da série Mana ainda vão jogar o jogo. E para aqueles e outros, é improvável que o alcance visual do jogo seja uma barreira significativa.
No entanto, os gráficos em Final Fantasy Adventure são muito bons e detalhados para os padrões do Game Boy. Talvez isso tenha sido alcançado devido ao fato de não haver rolagem da tela. Mas isso realmente não interfere na orientação no espaço.

Música

Bom. Kenji Ito criou várias composições verdadeiramente clássicas que mais tarde aparecerão mais de uma vez nos jogos da série Mana. O tema principal do jogo, que soa na tela de título, é especialmente bom. Infelizmente, nas masmorras, a mão involuntariamente alcança o controle de volume para salvar seus ouvidos do sofrimento. Afinal, os sons estridentes e borbulhantes do Game Boy são uma coisa bastante específica. Porém, ninguém cancelou o bom e velho método – incluir música em paralelo e tocar junto com ela.

Deixe uma resposta