Duke Nukem (GBC)

Duke Nukem (GBC)
Duke Nukem (GBC)

Duke Nukem Game Boy Color

Gênero: Ação
Perspectiva: vista lateral
Visual: rolagem 2D
Jogabilidade: Arcade, Plataforma, Atirador
Cenário: Ficção científica / futurista
Publicado por: GT Interactive Software Corp.
Desenvolvido por: Torus Games Pty.
Lançado: 1999
Plataformas: Game Boy Color (GBC), DOS

 

Depois de derrotar o Dr. Proton, Duke Nukem se banha em glória, dá inúmeras entrevistas e possui sua própria linha de souvenirs. Durante uma dessas entrevistas, ele é abduzido por alienígenas da raça Rigelatina, eles querem usar o cérebro de Duke para organizar um ataque à Terra. No entanto, ele consegue escapar e começa sua luta pela libertação da Terra dos alienígenas.

Jogabilidade

A jogabilidade mudou pouco em relação ao primeiro jogo da série. Da mesma forma, o jogador examina o nível, atira em vários objetos, coleta objetos (alguns deles serão necessários no futuro) e procura uma saída do nível. Dependendo se uma condição especial for cumprida ou não, no final do nível pode ser fornecido um bônus, dos quais são apenas sete. No final de cada oitavo nível, há uma luta com o chefe. Se no primeiro jogo o Dr. Proton agia como qualquer outro inimigo, então em Duke Nukem II os chefes tinham seus próprios padrões de comportamento, porém, apesar disso, não são obstáculos sérios. Uma inovação na jogabilidade é a necessidade de destruir os satélites de rastreamento do Duke, sem destruir qual Duke não consegue completar o nível. Novos tipos de armas foram adicionados ao jogo, e os parâmetros do antigo foram alterados. No entanto, a capacidade de mudar para a arma anterior não é fornecida, por causa da qual é impossível salvar as cargas de armas mais poderosas. Além disso, Duke agora pode se mover rastejando, atirar para cima, usar escadas. A jogabilidade como um todo é um pouco mais rápida do que no jogo anterior. O jogo também apresenta uma escolha de três níveis de dificuldade.
O design do nível mudou. Os níveis em geral se tornaram um pouco maiores e mais diversificados do que no primeiro jogo da série. Em um dos níveis onde a ação se passa na cidade que sofreu com o terremoto, conforme Duke sobe de nível, as ruínas dos prédios desabam, liberando o caminho para o herói. Também no jogo existem níveis completamente originais, por exemplo, quando Duke voa em um navio e pode se mover livremente, ou quando Duke rompe as forças inimigas, abrindo caminho atirando com uma arma a laser. No entanto, o jogo ainda possui níveis do tipo de labirintos indefinidos.
Os gráficos do jogo usam mais cores. A variedade de blocos gráficos é aumentada, devido aos quais os níveis parecem mais exclusivos. No entanto, muitos níveis ainda são labirintos chatos que facilitam a perda. Os sprites são ligeiramente aumentados, o que, no caso de encontrar inimigos na zona de visibilidade, pode desorientar. Um radar foi adicionado à interface do jogo para ajudar o jogador nessas situações, mas é inútil, pois não mostra todas as informações necessárias.
A imagem do protagonista também foi alterada. Duke Nukem neste jogo ainda não é totalmente consistente com sua imagem de Duke Nukem 3D, mas já está se aproximando disso. Duke está vestindo uma camiseta vermelha, mas ainda não usa óculos escuros. Ele é bastante falante nas cenas entre os episódios, mas seu discurso não é tão rude quanto os machismos em Duke Nukem 3D.
Em geral, a jogabilidade de Duke Nukem II não apresenta grandes inovações, as principais mudanças dizem respeito a melhorias no conceito original.

Deixe uma resposta